Vontade de comer aquele docinho? Saiba por quê.

serotonina, oleaginosas, banana, feijão, bom humor, mestruação, período menstrual, chocolate amargo, alimentação balanceada, ganho de peso, mau humor, depressão, ansiedade, funcionamento intestinal, exercícios físicos, boa alimentação, sensação de bem-estar, equilíbrio psicológico.

Tem dias que você tem muita vontade de comer um docinho? Ou então uma vontade absurda de comer pão, massas e outros alimentos? Fique atento você pode estar com baixa produção de serotonina!

Fatores como o ganho de peso, mau humor, depressão, até mesmo a ansiedade, entre outras alterações no sistema nervoso central podem indicar uma baixa produção de serotonina.

 

A serotonina é um neurotransmissor responsável pela sensação de bem-estar, derivada de um aminoácido essencial a todos, o triptofano. A alteração no metabolismo da serotonina pode afetar o comportamento alimentar, favorecendo o apetite por guloseimas e outros carboidratos.

A deficiência na produção desse neurotransmissor pode gerar compulsão alimentar, ocasionando ganho de peso e ocorre de forma frequente em algumas mulheres no período menstrual.

O que comer para produzir mais serotonina?

Alguns alimentos favorecem a produção de serotonina, fazendo com que você sinta menos compulsão por alguns alimentos como, por exemplo, doces. Você deve ingerir com frequência alimentos que são fontes de triptofano:

  • oleaginosas (castanhas; amendoim, pistache, nozes);
  • banana;
  • feijão;
  • tomate;
  • ovo;
  • kiwi;
  • ameixa;
  • lentilha;
  • abacaxi;
  • chocolate amargo.

Alimentos como arroz integral, farelo de aveia, quinoa e amaranto melhoram a ação sobre o triptofano cerebral. O consumo em um nível equilibrado desses alimentos, associado a uma alimentação balanceada, um bom funcionamento intestinal e a prática de exercícios físicos são capazes de ajudar na produção de serotonina, fazendo com que você se sinta bem humorado, logo, a sensação de bem-estar e equilíbrio psicológico.

Lembre-se, qualquer diagnóstico deve ser feito por um especialista médico. Na dúvida procure-o e nada de comprar medicamentos sem ter um diagnóstico comprovado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*